segunda-feira, 3 de julho de 2017

Os 31 meses da Infertilidade

Nestes longos 31 meses, achei algumas vezes que aquele seria o ultimo mês, que desta vez tínhamos conseguido, que a nossa vez tinha chegado...  mas esse mês nunca chegou, um ciclo deu sempre lugar a outro sem um final feliz. 

Os meses foram aparecendo com cada vez menos esperança, os meses foram aparecendo com cada vez menos fé, os meses foram aparecendo e bebes à minha volta foram nascendo, crescendo e eu de braços vazios.

Às vezes dá vontade de perguntar: "Porque eu?", "Porque tem de ser tão difícil?", "Porque tinha que ser a nós?" As perguntas nunca têm resposta. 

Passaram 31 meses, nunca esperei tanto por algo.  Tudo é lento, demorado, desmoralizante, triste e cansativo.  

O meu pai ainda não é avô, o meu marido ainda não é pai, o meu irmão foi tio de um filho que não é meu e passaram uns 31 longos meses. 

Tento nem falar sobre isto, com as poucas pessoas que sabem, porque me dirão "Acontece quando menos esperares.", "Quando deixares de pensar nisso acontece.", "Ainda és nova, tens tempo".

Eu queria ser mãe nova, com 28 anos, passaram 31 meses e ainda não o sou. Eu queria ser mãe da maneira mais natural possível e há meses que tomo comprimidos para ajudar cada ciclo. 

Eu sei que um dia vou conseguir, eu sei que um dia a contagem dos meses vai ter outro objetivo, que passem apenas 9 meses. Eu sei que um dia vou achar que nem demorou assim tanto mas "Porque eu?", "Porque tem de ser tão difícil?", "Porque tinha que ser a nós?" As perguntas nunca têm resposta. 

23 comentários:

Sofia disse...

Também não tenho resposta para essas perguntas... mas acredito muito que vais conseguir o que tanto desejas! Beijinhos

Coquinhas disse...

Um abraço enorme. Eu ando aqui a adiar e as vezes questiono-me "e se depois...".muita sorte e brevidade ;)

PL disse...

Conto 68 intermináveis meses de uma aventura à qual cheguei a pensar ter avistado a luz ao fundo do túnel. A realidade está a esbofetear-me diariamente com um provocador "Tu?! Ainda não viste nada!". Ora me sinto sem forças, ora volta uma coragem como se ainda estivesse a iniciar a caminhada. Oiço tantas vezes que quando menos esperar, acontece ou que muitas mulheres que desistem dos tratamentos engravidam pouco depois. O argumento de ser nova já foi usado em tempos, afinal de contas comecei esta vida aos 31 e daqui a uns meses já faço 38.

Por mais conselhos que se possam dar ou aceitar, o nosso interior é que arranca a força que nos leva a enfrentar mês a mês.

Não lhe desejo apenas um positivo, porque pode revelar-se um verdadeiro sufoco. Desejo-lhe sabedoria, força e votos de que O positivo se traduza numa gravidez livre de percalços e com um percurso como sempre idealizou.

AMOR XXS disse...

Noutro contexto (devido à prematuridade do meu filho) disseram-me que Deus dá as piores batalhas aos seus melhores guerreiros. Às vezes pensamos que não aguentamos mas no processo descobrimos que somos mais fortes do que pensamos.
Tu consegues, Maria. Um dia toda esta tristeza vai dar lugar a uma enorme alegria. Acredita que sim. És uma guerreira. Força.

Cynthia disse...

Deve ser uma frustração que nos consome e não te posso dizer nada que já não tenhas ouvido. E calculo que esses comentários que as pessoas não fazem por mal sejam também frustrantes e compreendo que não te apeteça ouvi-los. Mas muita força! Espero que consigas e que tudo corra bem :)

Evy Percebes disse...

Tu vais conseguir, eu sei! Beijinhos <3

Anónimo disse...

Permita-me deixar aqui o meu testemunho. Não quero com ele nem dar-lhe esperanças, e muito menos tirá-la. Foi a minha realidade, e gostava de partilhá-la.

Casei com 36anos. Aos 37 deixei de tomar a pílula para engravidar. Dois meses depois engravidei. Dois meses e meio depois perdi o bébé, aborto espontaneo, segundo o médico. Ficamos de rastos, mas ao fim de dois meses, tempo para o corpo restabelecer, voltamos a tentar. Nada. Mês após mês nada. Um ano passou e fomos a consulta de infertilidade. Fizemos uma bateria imensa de análises e exames. Nem eu nem o meu marido tinhamos qualquer tipo de problema. Infertilidade desconhecida foi o diagnóstico. Fomos fazer inseminação artificial, quatro ao todo. Nenhuma resultou. Quando as poupanças acabaram fomos para Sta Maria. Mas eu estava a contra relógio. O serviço nacional de saúde só permite F.I.V até aos 40anos e eu estava quase nessa idade. A ansiedade, a contagem decrescente, o stress de não ter o nome do meu inimigo para lutar com todas as armas estavam a matar-me, cada dia que passava era menos um dia para conseguir um filho. Cada resultado negativo, depois de tanta esperança depositada, era morrer mais um bocadinho. O que é infertilidade desconhecida?? Está tudo bem conosco e não conseguimos porquê?? Pois, é a ansiedade, é o stress, é isto, é aquilo...o que era não sabia. Só sabia que não consguia ter o meu filho tão desejado no braços e já estava no limite de idade para poder ter ajuda, como se ser mãe aos 40 fosse uma aberração e não tivesse tanto direito a sê-lo como mais mais novas. O sentimento, a vontade, o desejo, o amor não tem idade, raça ou credo.

Quando todas as minhas hipóteses tinham esgotado, eu e o meu marido falamos e concordamos em não seria por não ter filhos que a nossa vida iria terminar. Nos próximos tempos não iriamos mais falar sobre este assunto e tinhamos que seguir a vida.

Três meses depois o período faltou-me e ao quarto dia fiz teste de gravidez. Estava grávida! Naturalmente! Sem injeções, sem inseminações, sem comprimidos?? Naturalmente!

Hoje o meu filho tem 21meses. É perfeito e saudável.

Não sei o seu problema, se o tem ou se é uma infertilidade desconhecida. Tem 28anos. Eu tenho 42anos. A esperança é a última mesmo a morrer. Enquanto puder lute, lute todos os dias. Permita-se, a si própria, ficar triste e revoltada, pois é um direito seu. Mas, no dia seguinte volte a lutar e a ter esperança. Acabando todas as armas e pensando que também a esperança acabou, pode ser que ela lhe faça uma surpresa.

Um aparte, se o seu problema é a infertilidade desconhecida tome suplemento de Zinco. Foi o que fiz. Por vezes, as infertilidades desconhecidas são carência de Zinco no organismo da mulher.

Sónia Barreto

Paris Toujours disse...

Olá!

não sei se as palavras ajudam ou não. por vezes fico nessa duvida.
contudo, acredites ou não, as minhas palavras são de apoio verdadeiro.
E não desistas, não desistas!
Vai acontecer!

S* disse...

Vai com fé. Com muita fé. Só assim consegues aguentar...

J* disse...

Força e coragem para conseguir atravessar esta batalha!
https://jusajublog.blogspot.pt/

Ellie disse...

Ninguém tem resposta para essas perguntas. O tempo as terá, talvez?
Eu só espero que o fim desta batalha seja o melhor possível. Que seja o desejado. E que esteja para breve. É tudo o que te posso dizer e desejar do fundo do coração. ♥

Beijinhos

Mar R disse...

Não imagino o quão difícil será querer muito e não conseguir...ter a certeza que se quer um bébé e nunca mais o ter nós braços!
Acreditanem que vai conseguir. Por mais que seja difícil não deixem que esse assunto vos "consuma".
E acredita que tudo acontece no seu tempo certo. É um dia talvez percebas o porque...!
Beijinho
Marta
@sagadaemigracao

Anónimo disse...

A esperança é a ultima a morrer.
Tenho uns colegas que viveram essa luta durante 13 longos anos.
Lutaram e fizeram tudo quanto aguentaram e puderam.Quando menos esperavam nasceu a Joana e três anos depois chegou o Manel.
Um beijinho e FORÇA,MUITA!

Misaki disse...

Imagino que custe. Mas vou dar-te o exemplo da minha mãe. Eu tenho um irmão com mais 10 anos que eu. Ela teve-o com 20 anos e depois dele os médicos insistiram com ela (por problemas de saúde) para não tornar a engravidar. A verdade é que ela tentou porque queria ter um segundo filho, teve dois abortos espontâneos, e teve que fazer tratamentos, imensos, para ficar saudável. 10 ano depois ficou gravida de novo e desta vez teve uma gravidez saudável e eu nasci sem problemas nenhuns de saúde.

Não desistas. Todas essas perguntas podem atormentar-te a ti e a ele, mas não percam a esperança. Tenta viver as coisas pequeninas que te trazem felicidade, mesmo que sintas um vazio, um dia ele vai preencher-se. Não, não sei o que é estar na tua pele e provavelmente estou a dizer-te o que já te disseram antes e não fez diferença. Estarmos na nossa própria pele é sempre mais difícil. Mas vai surgir uma solução, vai acender-se uma luz, e vocês vão conseguir o que mais anseiam!

Beijo enorme*

Flor de Jasmim disse...

Não tenho as palavras que queres ouvir minha querida, foram tantas as vezes que te disse o mesmo que acaba por não fazer mais sentido, às respostas que gostarias de ouvir, até de perguntas que não são feitas.

Deixo-te um xi 💗 muito apertado, sente-o.

Adélia

ML disse...

Deixo um xi e um desejo enorme que consigas realizar esse sonho! Vais conseguir. Muita fé.

Beijinho grande.

disse...

Não desistas, eu acredito que vais conseguir :)
Muitas sorte!

Beijinhos grandes ^^
O blog da Mó | Instagram

Anónimo disse...

Olá,
Não a conheço, é só para lhe deixar uma palavra de esperança, apesar de bem saber que o sentimento é que não ajuda nada.
Por aqui foram 7 anos de tentativas, de esperança que desta é que era, de frustrações, de cobranças de família, amigos e outros que nem por isso, de momentos em que desistimos e de outros em que achávamos que tínhamos de lutar. Por fim, quando um dia já não esperava que a natureza funcionasse, fiz um teste e apareceu um tracinho mais sumido que o de controlo e achei que estava a ver mal ou que o teste estava avariado.
Como aconteceu e porque não aconteceu antes acho que nunca saberei, mas o meu bebé está quase a nascer. Esta gravidez não começou nesse teste, mas sim à 7 anos atrás, pelo menos é assim que a sinto.
Tudo isto para que não perca a esperança, um dia vai conseguir, apesar de haver alturas em que duvidamos disso.
Se acreditar em Deus, agarre-se à fé.
Eu não acredito,mas durante estes 7 anos tinha dado jeito acreditar.
Tudo de bom, em breve vai ser apenas uma memória do que lutou para ter uns olhinhos a olhar para si e vai tudo valer a pena. Acredite

Flor de Jasmim disse...

Minha querida, voltei para de deixar um xi 💗 bem apertadinho.

Adélia

L. das horas disse...

Vou ser leviana no meu comentário porque tens aqui em cima respostas de pessoas reais que passaram pelo mesmo.

De vez em quando também me pergunto "porquê eu?" mas no segundo seguinte penso "quero lá saber porquê". Tive um cancro e pronto. Vivo com isso e com tudo o que me trouxe e tirou. Planeio viajar, divertir-me em jantares de amigos, ficar boazona... o resto há-de vir. E se não vier também não será o fim do mundo.
Beijo

disse...

O meu coração fica apertadinho ao ler o teu texto. Só quando se vive se sente, só quando se tem a vontade enorme de ser mãe, mas sem sucesso, se compreende o sentimento.
Há dois meses perdi o meu feijão, foi horrível, mas a incerteza do que vem depois mata-me aos poucos. A ansiedade não ajuda, mas também não a consigo controlar.
Um xi bem apertadinho para ti.

MAG disse...

Eu estou a tentar desde os 30 e já tenho 36, já fiz 3 ciclos e nada (com gonal, puregon e menopur). Em Santa Maria demora tudo uma eternidade. Contuinuo a tentar. Gosto de conversar com as outras mulheres no Hospital. Acalma-me. Gosto de partilhar experiências e de aprender e, quando acontecer logo vejo. O Stress também não ajuda e o não explicarem nada do que está a acontecer. Não é matemático e eu achava que havia algo que eu pudesse fazer que faria automáticamente com que funcionasse. Perdi peso, mudei a dieta, acalmei... mas não há nada que garanta. Não é matemático. É biologia e sorte. Comecei agora a acalmar.
Espero que contigo corra tudo pelo melhor e se precisares manda e-mail.
Beijinho grande e força :*

Green disse...

Não é justo nem tem explicação, mas força e tudo se torna mais fácil, verás que é possível. Coragem**