quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Viajar não é coisa de ricos


"“Quem me dera…” deve ser a expressão que mais ouço quando falo do meu próximo destino de viagem. Como se viajar fosse algo inatingível, como se fosse preciso muito dinheiro para sair de casa. Não é! Conheço quem tenha viajado mundo fora com um orçamento de apenas 300€ por mês. Conheço quem tenha ido viver uns meses para a Índia para diminuir o seu custo de vida. E sei por experiência própria que não é preciso gastar fortunas para viajar. Mais que tudo, é preciso querer. Querer mesmo. Lembro-me de estar de partida para três meses pelo Médio Oriente quando ouvi esse mesmo “quem me dera” da boca de um amigo. “Queres vir comigo?”, perguntei-lhe perante o interesse demonstrado. “Quem me dera”, resignou-se. O emprego, a família ou namorada, a renda da casa ou o crédito do carro – não me recordo em pormenor -, para além da suposta insegurança do Médio Oriente, foram alguns dos seus argumentos para não fazer uma coisa que – dizia – queria fazer. “Mas queres vir comigo ou não?”, insisti. Não veio.
Noutra vez, quando à mesa de um café contei ao núcleo de amizades que ia viajar mais de um ano, outro amigo disparou: “Mas saiu-te o totoloto? Estás rico?”. E minutos depois estava a falar de um carro que gostava de comprar e que provavelmente custaria duas voltas ao mundo. Como em tudo na vida, há que fazer opções para que uma grande viagem seja exequível. E, quase sempre, optar implica deixar de ter ou fazer coisas de que gostamos em nome de um objetivo maior: no caso, conhecer o mundo, viajar.
Aquela saída noturna com os amigos de sempre, com farta jantarada e copos noite fora, equivale a vários dias de viagem na Tailândia. Aquele cinema adiado dá para muitos almoços nas ruas do Vietname. Aquela peça de roupa que há muito se namora converte-se em múltiplas viagens de autocarro ou comboio. Já para não falar dos sapatos, botas, sapatilhas ou carteira, do ato de deixar o carro em casa e caminhar, andar de bicicleta ou de transportes públicos, de cozinhar em vez de almoçar fora, de evitar comprar revistas e jornais diariamente, de diminuir o número de cafés por dia ou até parar de fumar. Sim, um mês sem cigarros é uma semana em muitos países do mundo. E arranjar um part-time extra se preciso for. Numa palavra, poupar para viajar. Mais. Se todos os truques de poupança falharem, há sempre a possibilidade de se ir trabalhando em viagem, seja na receção de um hostel, às mesas de um restaurante, na apanha da fruta ou, melhor ainda, no ensino de línguas, em tarefas criativas (...). Não temos todos de gostar do desconforto dos autocarros birmaneses, do lixo espalhado pelas cidades indianas, do trânsito caótico das metrópoles asiáticas, da poluição desmedida das cidades chinesas, da comida sensaborona da Mongólia, do esforço físico de um trekking no Nepal, de passar 70 horas a bordo de um comboio russo, das noites mal dormidas no chão de uma tenda, do calor infernal do deserto do Sahara ou dos perigos da selva Amazónica, ou até do dolce fare niente de um tudo incluído em Varadero. Mas temos por obrigação deixar de encontrar desculpas para não sermos felizes. Mais que dinheiro, é preciso vontade para tomar as decisões que permitam partir. Optar. Porque viajar não é coisa de ricos – e disso tenho eu a certeza." Um texto brilhante deste grande senhor. 

14 comentários:

Isa Sá disse...

É preciso querer, mas também é preciso algum fundo de maneio! Não me venham cá dizer que viajar não custa dinheiro....quem ganha o salário mínimo, não há-de ter grandes possibilidades para viajar.

Isabel Sá
http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

Nina disse...

Eu acho que viajar não é necessariamente uma coisa de ricos, acho que uma pessoa que não tenha uma grande fortuna guardada tem de fazer mais opções para conseguir de facto viajar. Tem de haver vontade sobretudo :)

Daniela S. disse...

Não acho que seja coisa de ricos, mas e preciso dinheiro. E por mais que seja barato passar um mês em países asiáticos, por vezes só na viagem ate para la pagas 500€. Mas quando e algo que se quer e algo fácil de realizar.

Nádia disse...

Não é preciso ser rico, mas só querer também não é suficiente. Falo por mim, que quero muito e não posso mesmo.

Susana Correia Dos Santos disse...

A teoria é bonita, mas na pratica as coisas não funcionam bem assim...

Calíope disse...

Eu concordo! :) E até costumo que trabalho para sustentar as minhas viagens! Tudo bem que cada um sabe de si, mas, a meu ver trata-se mesmo de prioridades. Viajar não tem de ser necessariamente para longe e para um hotel de 5 estrelas! Mais do que dinheiro e vontade, acho que tem de haver desembaraço para se jogar com as cartas que se tem nas mãos. (Vou pôr o link do texto lá no meu burgo).

arya disse...

Sem palavras e penso exactamente como ele. Por minha conta já fui duas vezes à Suíça e este ano ao Porto. Poupei muito tanto para um local como para outro. Mas valeu o esforço e já estou a planear uma viagem para o início do próximo ano portanto sim, é uma opção, é preciso saber organizar, poupar e delimitar prioridades.

Catarina disse...

É tudo uma questão de prioridades e também do sentido de aventura de cada um...se para algumas pessoas é confortável dormir em autocarros ou no chão de uma tenda, para outras não...há quem prefira viajar durante um ano nessas condições e há quem prefira passar uma semana num só país com algum conforto... Assim como assim, dinheiro é preciso!

MAG disse...

Acho que inicialmente tem de ser feito algum investimento, quanto mais não seja para sair do sítio onde estou e viajar, portagens, transportes, etc. Mas também me confesso, eu não viajo muito por comodismo e medo.

Joana disse...

Concordo plenamente! Deixo de fazer pequenas coisas cá para fazer grandes viagens lá fora :) com esforço tudo se consegue! ;)

Anónimo disse...

Viajar não é de facto só para Ricos! Mas é certo que é preciso poupar e definir prioridades. Deixar de tomar café todos os dias, deixar de fumar para quem o faz, assistir filmes em casa, comprar menos roupa. No entanto, não nos podemos esquecer que já existem pessoas que não o fazem e que mesmo assim não conseguem poupar.
Viajar, dependendo para o local (óbvio), custa dinheiro. Sáo as passagens (de carro, comboio ou avião), é a alimentação, a estadia.
Não posso dizer que seja para todos!!!
Bjs*
MR<3
Blog Saga da Emigração

Heriwen disse...

Não acho que seja assim tão linear para toda a gente... mas concordo em relação às desculpas de quem tem condições e se acomoda!

Green disse...

Verdade, é mesmo uma questão de querer e de fazer as escolhas certas.

Emma disse...

No fundo todos querem viajar mas só dentro de certas condições e com pouco esforço.
Quem quer mesmo arranja maneira de poupar e de ir.